ENTENDA POR QUE TODOS DEVERIAM VER O POÇO DA NETFLIX!

ENTENDA POR QUE TODOS DEVERIAM VER O POÇO DA NETFLIX!

Recheado de críticas sociais e metáforas políticas, sociais e bíblicas, “O Poço” é de longe uma das maiores obras já produzidas pela Netflix, destacando as consequências de atitudes egoístas e irresponsáveis das pessoas, que estão “acima” na sociedade.

O filme todo gira em torno de um experimento social, onde pessoas são alocadas aos pares em um poço com mais de 200 níveis. Todos os participantes do experimento podem levar consigo um único objeto para auxiliá-lo no período em que ficarão confinados. Vale destacar que praticamente todos resolveram entrar no local de forma voluntária. No experimento, a sua posição dentro do poço faz um belo paralelo com as condições sociais de certos grupos dentro da sociedade

No andar zero é preparado um enorme banquete com as comidas favoritas de cada pessoa que resolveu participar do experimento, em seguida essa refeição desce por um vão entre os andares e vai parando em cada nível para alimentar os participantes ali alocados. Nesse momento já sabemos que, quanto mais acima no poço a pessoa se encontra, melhor será o banquete que ela terá à disposição, e que os níveis inferiores terão que se contentar com os restos dos praticantes dos níveis superiores.

Com isso, já podemos perceber a clara intenção do filme de mostrar a responsabilidade que as pessoas que estão em uma condição mais favorecida, têm em relação aos indivíduos dos níveis abaixo, mostrando que o egoísmo de alguns pode levar a um sofrimento enorme e até a morte de muitos.

Agora vem uma das partes mais importantes desse experimento, a cada mês os participantes são mudados de forma aleatória de níveis, podendo subir ou descer dentro do poço. Sendo assim, pessoas que antes tinham muito podem passar a não ter nada e pessoas que não tinham nada podem receber um banquete. Ao que parece, o experimento retratado no filme queria fazer com que as pessoas criassem um censo de solidariedade ao passar por necessidades e sofrimentos já vividos por outras pessoas. Entretanto, isso não acontece, uma vez que nos níveis mais profundos, até as pessoas de coração mais puro abandonam a sua humanidade para se manter vivos.

Uma vez tendo passado por um dos andares inferiores, a pessoa que sai de lá definitivamente já não é mais a mesma. Noções como empatia, respeito e amor são abandonados depois de se passar um mês sentindo fome e sabendo que os culpados por isso estão logo acima. Os participantes agora são tomados por sentimentos de ódio e de vingança. Assim como na sociedade, onde muitos dos que não tem nada nutrem um profundo ódio daqueles que tem muito e não compartilham para o bem do coletivo.

O filme detalha de uma forma bela a transformação do ser humano, onde inicialmente as pessoas costumam ter um certo grau de empatia e tentam de alguma forma fazer com que a comida chegue a todos os níveis e como ela se transforma depois de alguns meses no local. Isso se torna claro quando vemos uma nova pessoa chegar ao poço e ela fica no mesmo andar que um participante que já tenha vivenciado os piores terrores do lugar.

[A PARTIR DESSE PONTO CONTÉM SPOILER]

O filme finaliza com um belo sinal de esperança. Goreng e Baharat tentam acabar com o sistema do poço, escolhendo descer junto com a comida para transmitir a mensagem de que se todos se alimentassem somente do necessário, ninguém passaria fome. Entretanto, a grande mensagem está no andar 333. Nesse nível eles encontram a filha de Miharu, uma criança que parece não ter passado fome um único dia desde que entrou no lugar. Com isso, eles descobrem que sua mãe não andava nos andares todos os dias buscando pela filha, mas sim para salvar algum alimento até ela. Importante mostra que essa mulher talvez tenha sido a personagem quem mais sofreu durante todo o filme, passando em todos os andares e sendo atacada diversas vezes por mais de 300 andares, e que mesmo sofrendo isso tudo sempre pensava em alimentar a filha. Apesar de tudo, o amor que Miharu sentia pela sua filha, não fez ela perder sua humanidade. Com isso, no final Goreng vai até o nível mais baixo com a criança e manda ela como mensagem para os criadores do sistema.

A garotinha representa a esperança. Ela é a mensagem, e Goreng, que várias vezes é chamado de Messias, é o Mensageiro. Fica bem clara a alusão a Jesus e a Bíblia. Assim como Jesus, Goreng é o mensageiro incubado da salvação.

A criança ainda não foi corrompida pelo sistema, ao contrário de Goreng. Ele não é mais o mesmo depois de ter presenciado todos os horrores do poço, ele foi corrompido. Já a menina representa o espírito humano, ininterrupto, apesar da influência avassaladora e desumanizante do sistema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *