Não sabe o que assistir? Clica aqui.

    Guerra Civil: Uma Assustadora e Sincera Homenagem ao Jornalismo

    Guerra Civil: Uma Assustadora e Sincera Homenagem ao Jornalismo

    3 min.19/04/2024Yasmin Ribeiro

    Os Estados Unidos estão em guerra civil, com simpatizantes do governo enfrentando uma república independente formada pela Califórnia e Texas, cada um lutando pelo destino do país. No meio deste conflito, um grupo de jornalistas busca revelar a verdade por trás das aparências enquanto atravessa estados marcados pela intolerância e indiferença.

    Uma Nação Dividida por Suas Ideologias

    Desde os primeiros momentos, somos imersos em cenas de combate pelas ruas americanas. A origem do conflito que dá título ao filme não é explicitada, mas fica claro que a Califórnia e o Texas uniram forças contra o governo, desencadeando uma luta pelo futuro da nação. Enquanto isso, a Flórida busca expandir seus territórios, e o presidente dos EUA, apesar de seus discursos enérgicos, parece cada vez mais isolado. Nesse contexto, conhecemos Lee, uma fotógrafa de guerra experiente, e Joel, um jornalista com um plano audacioso: entrevistar o presidente em Washington.

    Acompanhados por Sammy, um jornalista veterano interpretado por Stephen Henderson (Duna), e Jessie, uma jovem fotógrafa que admira Lee, eles empreendem uma jornada que revela a verdadeira face do povo americano, independentemente de seu posicionamento no conflito.

    Uma Crônica Realista da Violência e da Polarização

    "Guerra Civil" impressiona por sua abordagem realista dos efeitos de um conflito dessa magnitude no cotidiano americano. O filme desafia a noção de que tais eventos só ocorrem em territórios estrangeiros, confrontando-nos com a possibilidade de tal crise acontecer na chamada Terra da Liberdade. A violência, xenofobia, preconceito e ignorância retratados no filme não parecem exagerados, pois refletem aspectos da vida real, muitas vezes em proporções similares às vivenciadas em países invadidos pelos Estados Unidos.

    As atrocidades cometidas pelos soldados, independentemente de seu lado no conflito, ganham uma dimensão mais impactante ao ocorrerem em cenários familiares, como os subúrbios americanos. Essa perspectiva ressalta como a mesma violência empregada por americanos em incursões "pela liberdade" no exterior pode se manifestar em seu próprio solo. A polarização crescente nos EUA nos últimos anos torna a realidade de "Guerra Civil" ainda mais assustadora, evidenciando o país como uma nação à beira de uma explosão iminente.

    A Perspectiva do Jornalismo

    Através das lentes da fotojornalista Lee, o filme expõe de forma crua e direta a realidade brutal da guerra. Kirsten Dunst entrega uma atuação memorável como alguém que se desensibilizou diante da violência após cobrir inúmeros conflitos ao redor do mundo. A presença de Jessie, interpretada por Cailee Spaeny (Priscilla), evoca memórias do início da carreira de Lee e os desafios enfrentados no fotojornalismo.

    Wagner Moura brilha como Joel, o jornalista determinado a entrevistar o presidente. A dinâmica entre ele e Dunst é impressionante, revelando diferentes perspectivas sobre o conflito. Ambos lidam com a violência de maneiras distintas, mas compartilham o compromisso de documentar os acontecimentos objetivamente. "Guerra Civil" é uma homenagem ao papel vital dos jornalistas em momentos de crise como o retratado no filme.

    Uma Reflexão sobre a Indiferença

    Uma das passagens mais marcantes do filme é a percepção da indiferença em uma pequena cidade, onde os habitantes parecem alheios ao conflito nacional. Esta indiferença, tanto às mortes quanto aos princípios em jogo, reflete não apenas a realidade da guerra, mas também a apatia presente em sociedades corroídas pela violência. Alex Garland habilmente retrata essas questões em um filme que, apesar de duro, é cativante e provocativo, convidando à reflexão.

    Anúncio

    Populares

    Anúncio

    Vídeos

    Veja o que você perdeu!